A Arte de ser Feliz

felicidadeExiste um livro com este título. Não li e nem sei quem é o autor, mas certamente irei ler. O assunto me fascina, pois demorei bastante tempo para descobrir como é simples ser feliz. A vida traz consigo responsabilidades e desejos. As responsabilidades carregam apreensões e os desejos alegrias e frustações.

E assim sendo, em alguns momentos, estamos eufóricos e felizes e em outros tristes e decepcionados.

Um pouco utópico querer fugir desta equação, mas há poucos anos atrás resolvi não esquentar com nada. Se algum trabalho ou projeto deu errado, assumo que cheguei ao limite da minha competência, mas feliz por saber que dei o meu melhor para realiza-lo. Então não me culpo e nem deixo que a frustação apareça.

Se alguém que amamos não quer ficar, deixe partir, pois abrirá a porta para aquele amor que quer entrar e ficar. No caso o verdadeiro amor.

Ah, sim tem os filhos. Preocupação de todos nós. Gente amiga, evidente que me preocupo com os meus eternos baixinhos (que estão maiores do que eu), mas a vida é um ciclo e podemos partir a qualquer hora. Novamente uma certeza, eles irão se virar e construir a vida deles. Muitas vezes de maneira impensada e quem sabe egoísta, ficamos encarando nossos filhos como eternos bebês, indefesos, etc. Sabe nada inocente. Com o mundo globalizado, informatizado e interativo, as gerações mais recentes estão muito mais preparadas do que estávamos quando éramos jovens.

O tempo vai passando e nós vamos ficando velhos, dói aqui e dói acola, e ficamos pensando o que vai acontecer. Vai acontecer o que acontece com todo mundo. A máquina enferruja, apresenta problemas, tomamos alguns remédios para que ela funcione por mais um tempo e de repente, não mais que de repente, ela para e nós partimos.

Então optei por simplesmente viver cada dia, me perdoando pelos erros passados e não esquentando com um futuro que nem sei se existirá.

Simples assim!

Você vai gostar de ler também...

1 Registro

  1. Celi Massaud de Anunciação disse:

    Gostaria de pensar assim. Mas parece que sempre vou fazer falta. Com 68 anos, meu pai me faz falta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *