Luiz Henrique da Silveira

17393660Em um dia de significado especial, como o Dia das Mães, recebo a notícia do falecimento do meu amigo Luiz Henrique da Silveira. A vida prega estas surpresas, principalmente, quando o fato não se configura pelo ambiente existente. O Luiz era um homem forte, esbanjava vitalidade e otimismo. Parecia que tudo estava sempre no começo.

Na última sexta feira passei a manhã com ele. Falamos das nossas viagens, falamos da nossa Santa Catarina e falamos do nosso Brasil. Sereno, ele destacava as oportunidades de termos dias melhores, do que precisava ser feito, mas mesmo otimista não se afastava da realidade dos problemas existentes.

Acreditava como poucos, nas potencialidades e nas possibilidades de superarmos com vigor as adversidades e de deixarmos um grande país para gerações futuras.

Entusiasmado e alegre me mostrou as fotos dos netos e neta. Como era um apaixonado pela Rússia, me mostrou uma foto de sua neta vestida de russa.

Quando a Dona Ivete entrou na sala ele brincou: Derly, eu separei-me da Ivete e casei-me com essa jovem linda! Dona Ivete, com seu jeito singular, disse: Ike para com essas bobagens.

Pois bem, menos de 48 horas depois, Deus traça um novo destino. Chama o meu amigo para lhe fazer companhia. As lágrimas correm no meu rosto, mas sei que não posso contestar a única certeza da vida.

Luiz Henrique me colocou na vida pública, ensinou-me, protegeu-me e tornou-se um amigo especial, um conselheiro insubstituível.

Quando amigos queridos partem, levam consigo uma parte da gente.

Luiz; terás sempre a minha admiração, o meu reconhecimento e, principalmente, a minha gratidão.

Como companheira fica a saudade.

Você vai gostar de ler também...

4 Registros

  1. Claudio Appel da Silveira disse:

    Amigo Derly, Já tinha lido o seu lindo artigo alguns dias depois de você ter me avisado Sobre ele. Quero te agradecer novamente e dizer que meu pai deve ter aberto um “champanhe celestial” para comemorar a sua nova conquista profissional. Ele gostava e admirava muito você .
    Forte abraço,
    Claudio Appel da Silveira

  2. Joce Santos disse:

    Amigo Derly, não pude ficar sem passar por aqui. Sei da importância que o nosso amigo Luiz Henrique teve na sua vida, e, claramente vejo você com o sentimento de uma perda paternal, daquelas que nos fazem refletir, relembrar, chorar. Desejo a você a paz que só a luz do sorriso dos que ficam pode nos trazer. Abraço.

  3. Glauco José Côrte Filho disse:

    Amigo Derly, resolvi ler primeiro o texto “Aceitação” no qual você fala sobre a morte. Realmente será uma perda insubstituível para todos nós. Você teve o privilégio de conviver com ele , fique feliz por isso! Bola pra frente campeão! O Luiz Henrique continuará para sempre presente podes ter certeza.
    Abraços,

  4. Georgino Melo e Silva disse:

    SENADOR LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA.
    A morte inesperada do Senador Luiz Henrique da Silveira, na tarde de ontem, deixou um grande vazio e encheu Santa Catarina de tristeza.
    A rica Biografia do Senador Luiz Henrique é uma lição que nos emociona. Sua história é de integridade, dignidade, amor ao próximo e defesa intransigente dos valores mais altos de Santa Catarina e do Brasil.
    Conheci o Senador Luiz Henrique no final do século passado – quando presidia o PMDB. Junto com Ulysses Guimarães, Pedro Simon, Renato Archer, Tancredo Neves, Paulo Brossard, Franco Montoro, Marcos Freire e tantos outros.Luiz Henrique foi uma peça fundamental no diálogo para consolidar o Estado Democrático de Direito em nosso país. O manuseio da palavra franca e sincera para a composição dos interesses e a busca do bem comum sempre foi uma das características do Senador Luiz Henrique.
    Outra característica marcante de Luiz Henrique da Silveira é a amizade cativante que estendia àqueles com quem criava laços, afetivos ou de trabalho. A minha amizade com Luiz Henrique começou com o Ministro Renato Archer e se aprofundou através de outro amigo, Içuriti Pereira da Silva.
    Mas o Senador Luiz Henrique da Silveira não foi apenas amigo. Antes, tratava-se de um trabalhador infatigável em favor das causas que considerava justas, pois ele tinha o sentimento e a consciência da justiça.
    A morte do Senador Luiz Henrique da Silveira na auge de sua carreira de Estadista é algo nos choca e nos faz chorar. A sua genialidade política pode ser observada na forma como, igual a Nabuco, viveu durante o regime de exceção de 1964. Luiz Henrique era um mestre do tempo, da administração do tempo político.
    A atuação política de Luiz Henrique da Silveira, em todos os momentos de sua trajetória, merece uma cátedra em nossos cursos de ciência política, tal a profundida, a inteligência e a versatilidade da sua atuação política. Maquiavel dizia que o Poder não é uma dádiva para os pobres de espírito. Luiz Henrique foi estadista amado e não temido.
    Neste quadra decisiva da História do Brasil, o Senador Luiz Henrique da Silveira nos deixa para permanecer na História.
    À Família do Senador Luiz Henrique da Silveira, o meu profundo sentimento de pesar e solidariedade cristã.
    Georgino Melo e Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *